O que mais nos agrada nos nossos amigos é a atenção que eles nos dedicam". (
Tristan Bernard )

terça-feira, 20 de agosto de 2019

UFPB aprova criação de disciplina sobre uso medicinal da maconha em três cursos

O Conselho Superior de Ensino, Pesquisa e Extensão (Consepe) da UFPB aprovou de maneira unânime a criação da disciplina que trata do uso medicinal da maconha para os alunos dos cursos de medicina, biomedicina e farmácia. De acordo com a professora doutora Katy Lísias Gondim Dias de Albuquerque, criadora da disciplina, a UFPB é a primeira universidade federal do Brasil a tratar o tema nos três cursos. A reunião foi realizada na quinta-feira (15).

A criação da disciplina foi proposta pela professora, que faz parte do Departamento de Fisiologia e Patologia. O componente curricular estará vinculada ao projeto pedagógico do curso de biomedicina e vai ser ofertado pela primeira vez nos cursos de biomedicina, medicina e farmácia no período 2019.2 e posteriormente aos demais de graduação da UFPB.

Única entidade que pode cultivar maconha com fim medicinal fica na Paraíba

Segundo a professora, a nova disciplina vai se chamar Sistema Endocanabinoide e Perspectivas Terapêuticas da Cannabis Sativa e Seus Derivados. “O objetivo principal é introduzir conhecimentos sobre o Sistema Endocanabinoide e sua relação com diversas doenças, além de ampliar os estudos farmacológicos sobre os canabinoides (endógenos e exógenos), com ênfase nas manifestações clínicas, tratamento e possíveis interações medicamentosas”, comentou.

No entanto, ter uma disciplina específica para estudar os efeitos terapêuticos da maconha não é uma novidade no geral. O curso de medicina veterinárias da Universidade Federal de Santa Catarina tem uma disciplina de endocanabinologia ministrada pelo professora Erik Amazonas, de acordo com Katy Albuquerque.


Para a professora, o desejo é de que essa iniciativa sirva de inspiração para outras universidades e que em um futuro muito próximo esse tema faça parte do currículo dos cursos da área de saúde de muitas instituições de forma semelhante ao que está sendo feito na UFPB.

G1

Nenhum comentário:

Postar um comentário